Cem anos de Cartola, o poeta do samba

Cartola

Há exatos 100 anos, no dia 11 de outubro de 1908, nascia, no Rio de Janeiro, um dos maiores nomes da música popular brasileira, cujo legado musical influenciou todas as gerações posteriores. Cartola era negro, pobre, favelado e simplesmente genial! Apesar do enorme sucesso que fez por volta dos anos 30, passou várias décadas completamente esquecido para ser redescoberto nos anos 70, quando começou a ter suas músicas interpretadas por diversos cantores.

Pare um pouquinho o que você estiver fazendo, coloque os fones de ouvido e ouça “O mundo é um moinho“, samba de 1976 que, não por acaso, era o favorito de ninguém menos que Carlos Drummond de Andrade.

Pra quem não conhece Cartola ou ainda não tem esse álbum, segue o link para download de seu último show ao vivo. Essencial!

Anúncios

0 Responses to “Cem anos de Cartola, o poeta do samba”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




RSS Dois Espressos   Twitter Dois Espressos   Vídeos Dois Espressos   Fotos Dois Espressos
Músicas Dois Espressos   Links Dois Espressos   Locais Dois Espressos   GReader Dois Espressos
Facebook Dois Espressos   Livros de Dois Espressos   Corridas de Dois Espressos

Última corrida

Corridas

Fotos recentes

Mais fotos

Últimos Tweets

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Última nota do Moleco

" (...) Quanto a mim, a base de minha vida vai ser uma fazenda em algum lugar onde vou produzir parte de minha própria comida, e, se necessário, toda ela. Um dia não vou fazer coisa alguma além de sentar embaixo de uma árvore para ver minha lavoura crescer (depois do trabalho devido, claro) -- e beber vinho caseiro, e escrever romances para edificar meu espírito, e brincar com meus filhos, e relaxar, e gozar a vida, e brincar, e assoar o nariz. (...) Vou viver a vida do meu jeito 'preguiçoso coisa ruim', é isso o que vou fazer."

Diário de Jack Kerouac, 23 de agosto de 1948.
Molecos Viajantes

Últimos links del.icio.us


%d blogueiros gostam disto: