Archive for the 'Opiniões' Category

Mayara Petruso e a xenofobia no Twitter

Perfeito seria se não houvesse xenofobia, homofobia e preconceito racial.

Mas eu já me contentaria se ao menos os estudantes universitários de classe média — que supostamente representam 4% da elite intelectual do país, culta e esclarecida — não fossem os responsáveis por difundir essa forma de preconceito.

Mayara Petruso xenofobia

Mayara Petruso xenofobia

Mayara já apagou suas contas no Twitter e Facebook, mas o registro fica aqui, pra que ela não esqueça do dia em que, ao invés de se desculpar publicamente pelas besteiras que disse, optou por se esconder e fingir que nada aconteceu.

UPDATE

E ainda tem gente que apoia os cometários da Mayara e aproveita pra chamar os nordestinos de ladrões, assassinos e estupradores.

Apoio Mayara

UPDATE 2

Lamento mas, pela primeira vez, me vejo forçado a fechar os comentários para um post. O fluxo de mensagens tem sido muito grande e não tenho tempo pra ficar moderando as ameaças de violência e xingamentos que têm sido publicados.

Artes e Design, 1º dia (faltam 1459 dias)

Voltar às salas de aula da UFJF para mais 3 ou 4 anos de estudo deveria ser muito empolgante… mas, infelizmente, não é. Já conheço os jogos de poder, as fogueiras de vaidades do corpo docente e a inércia intelectual de uma enorme massa de acadêmicos que buscam apenas conseguir um diploma universitário com o menor esforço possível.

Depois de 2 graduações, de participar da política estudantil em diretórios acadêmicos e dos anos como bolsista de pesquisa, monitoria e extensão, a única coisa que me surpreenderia na aula de amanhã seria ver um professor entrar em sala, às 8h da manhã, dizendo a verdade aos calouros.

Malvados

Covardes. Covarde.

Trecho de um relato escrito pelo Antonio Prata (grifo meu) sobre uma “abordagem policial” cada vez mais comum na Zona Sul do Rio de Janeiro (e sobre a forma como todos nós enfrentamos esse tipo de situação).

Enquanto um policial dava choques no homem e fazia perguntas, o outro revirava seus pertences com o bico do coturno, espalhando as sacolas plásticas, o cobertor cinzento e um amontoado de miudezas sob a marquise, onde ele se protegia da garoa.

O barulho de matraca da pistola amarela [uma taser gun], tec,tec,tec,tec,tec, como a ignição de um fogão que demora a acender, era abafado pelos gritos do mendigo, recebendo descargas na parte de trás das coxas e nas costas. Mais ainda, era abafado pelas vozes na minha cabeça: ‘Vai lá!’, dizia-me uma delas. ‘Você que teve pré-natal e fralda descartável, você que estudou em escolas privadas e freqüenta mostras de cinema, você, com lentes de contato e livros na estante, você, que veio de uma família estruturada e caminha em direção a um restaurante: vai ficar aí, parado? Outra voz, a voz covarde, me dizia: “esquece. Não é o caso de peitar dois policiais, ainda mais sendo paulista, no Rio de Janeiro. E se te jogarem no camburão? Se te derem choque com a arma amarela?’ A voz corajosa insistia. “É seu dever! E é pouco provável que te batam. Você sabe bem que, desde a redemocratização, a tortura deixou de ser aplicada aos de lentes de contato e livros na estante e ficou restrita aos do outro lado da rua, sob a marquise.’”

_______________

Quem mora em Copacabana, perto do Posto 4 e da Estação Cantagalo do Metrô, presencia cenas como essa quase que semanalmente. Minha mãe, da janela do apartamento na esquina da Bolívar com Nossa Senhora de Copacabana, já viu adultos e crianças, homens e mulheres, gritando e se contorcendo na calçada por causa dos choques aplicados por policiais militares.

Leia o texto completo

Enquanto isso, bem longe da África e do Brasil…

…ondas impregnadas de óleo começam a chegar à praia de Orange, no Alabama.

Ondas impregnadas de óleo chegam à praia de Orange, no Alabama

Foto por Dave Martin/AP

O desastre causado pela British Petroleum (BP) já dura 41 dias e a estimativa mais otimista é de que o vazamento só será interrompido daqui a uns 60 dias. Até lá, cerca de 360 milhões de litros de óleo terão sido despejados no Golfo do México (10 vezes mais que o Exxon Valdez, em 1989).

Então, é isso… se no intervalo entre um jogo do Brasil e um programa do CQC/Legionários rolar aquela curiosidade sobre a quantas anda o desastre, acesse o site If It Was My Home ou o Live Oil Cam Feed. Até o final do dia de hoje o vazamento deve chegar aos 315 milhões de litros.

Dimensão do Vazamento - Rio x São Paulo

Dimensão do vazamento, caso ocorresse sobre o eixo Rio x São Paulo: Clique para Ampliar

Bibliografia básica para universitários (todos!)

Do genial Mario Prata, a listinha que foi reproduzida por centenas de blogs nos idos de 2001~2002.

De lá pra cá, pouca coisa mudou no meio acadêmico.

1º Ano

“Utopia”, Thomas Morus
“As Grandes Esperanças”, Charles Dickens
“Pollyanna”, Eleanor H. Porter
“Candido ou O Otimismo”, Voltaire
“O Silêncio dos Inocentes”, Thomas Harris

2º Ano
“Tormenta”, Sebastian Junger
“Um Pressentimento Funesto”, Agatha Christie
“Horizonte Perdido”, James Hilton
“Sem Destino”, Lee Hill
“Cuca Fundida”, Woody Allen
“O Idiota”, Fiódor Dostoievski

3º Ano
“A Fogueira das Vaidades”, Tom Wolfe
“Desespero”, Stephen King
“As Ilusões Perdidas”, Honoré de Balzac
“Não se mate”, Carlos Drummond de Andrade
“Enquanto Agonizo”, William Faulkner
“Morte a Crédito”, Louis Ferdinand Céline

4º Ano
“Os Miseráveis”, Victor Hugo
“A Náusea”, Jean-Paul Sartre
“O Suicídio”, Emile Durkheim

Dou a maior força… porém…

Dou a maior força!

Cennarium — empresa que transmite espetáculos de teatro pela Internet — está promovendo hoje uma blogagem coletiva para divulgar o Manifesto Mais Teatro, Brasil! Um manifesto nacional que propõe a inclusão sociocultural e disseminação da arte, cultura e entretenimento usando como base o teatro.

O objetivo da campanha é:

Colher o maior número de assinaturas possível para dar entrada, junto ao Congresso Nacional, num projeto de Lei de Iniciativa Popular, para que seja obrigatória a construção de um Centro Integrado de Cultura, em cada município cuja população seja superior a 25 mil habitantes.

Esses Centros Integrados serão espaços multiculturais que, além de um teatro — núcleo fundamental do projeto — contarão com “salas de cinema, biblioteca, salas de exposições, salas para eventos e palestras, espaços para cursos e oficinas de teatro, artesanato, artes plásticas, pintura, música, dança”, “um espaço multimídia (…) para fomentar a inclusão digital (…) e, ainda, espaços destinados ao comércio”.

Dou a maior força!Sobre as intenções do projeto e suas bases ideológicas

Não há como questionar a importância da construção de espaços destinados a difusão cultural e artística onde quer que seja. Mesmo que o projeto não chegue a ser posto em prática, só o fato de “fazer barulho” e trazer a questão para pauta de debates já faz com que a iniciativa seja louvável e digna de apoio.

Entretanto, minhas duas formações acadêmicas — uma na área de Educação e outra na de Ciências Sociais — me obrigam a comentar dois pontos do Manifesto que considero controversos.

O primeiro ponto diz respeito ao uso do termo “cultura”. Acredito que é preciso ter cuidado ao afirmar que uma parcela da população está “sem acesso a cultura”. Particularmente não conheço ninguém que esteja “sem acesso” a novelas, Big Brother Brasil, futebol, funk e grafite (pixação)… e tudo isso é cultura. Logo, dizer que “qualidade da educação de um país está intimamente ligada ao acesso que sua população tem à cultura” é, no mínimo, incompleto. O que se quer dizer, creio eu, é que a qualidade da educação de um país está intimamente ligada ao acesso que sua população tem à cultura que as escolas consideram legítima e digna de reprodução (o que também é discutível, mas, enfim…).

O segundo ponto — e esse me preocupa mais — diz respeito as afirmações, com questionável base teórica, que apontam a educação como elemento fundamental para a construção de um projeto nacional e grande (principal?) responsável pela redução das desigualdades sociais (Bourdieu deve ter se revirado no túmulo).

Dizer que “quanto melhor o nível de educação, menor serão as desigualdades sociais” é acreditar, dentre outras teorias, no paradigma da educação redentora (vasta bibliografia sobre o tema na Internet), que já foi questionado por inúmero filósofos, sociólogos e educadores (arrisco até dizer que na biblioteca da Faculdade de Educação da UFJF — onde concluí uma de minhas graduações — exista uma sessão inteira só com livros, dissertações e teses sobre o tema).

Não sei se existem, nos dias de hoje, sociólogos ou educadores que ainda defendam a ideia de uma educação que busque adaptar o indivíduo ao meio para curar suas mazelas sociais.

Enfim… como disse acima… apoio integralmente a iniciativa de construção de espaços destinados à arte, mas acho importante promover uma discussão mais aprofundada sobre as ideias contidas no Manifesto para que, assim, tenhamos um Projeto de Lei que, se aprovado, será realmente a maior transformação da história da cultura brasileira.

Para conhecer todos os detalhes sobre o funcionamento dos Centros Integrados de Cultura, visite a página do “Mais Teatro, Brasil!” e leia o Manifesto. Lá você também encontrará informações sobre a viabilidade econômico-financeira do projeto, o conceito arquitetônico dos Centros Integrados e a importância deles para o desenvolvimento cultural da população dos municípios onde eles serão construídos.

_______________

UPDATE: Via Livros e Afins, uma lista com outros blogs que participam da blogagem coletiva.

  1. Caducando: Teatro; onde possível
  2. Caminhante Diurno: Mais teatro, Brasil!
  3. Código Livre: Mais teatro, Brasil! Dou a maior força
  4. Gatos em Foco: Mais teatro, Brasil! Dou a maior força
  5. Interpretante Imediato: Dou a maior força
  6. Jeguiando: Mais teatro, Brasil: Blogagem coletiva
  7. Jornalista Masini: Mais teatro, Brasil
  8. Jujuba Crônica: Mais teatro, Brasil
  9. Trecos e trapos: Mais teatro, Brasil
  10. Vivendocidade: Vamos ao teatro!
  11. Lendo.org: Mais teatro, Brasil! Disseminando a cultura
  12. Visão Panorâmica: Cultura, teatro e cidadania: mais teatro, Brasil!
  13. Vísceras literárias: mais teatro, Brasil!
  14. Coca gelada: Mais Teatro, Brasil!
  15. ClickFoz: Quer um teatro em sua cidade? Então apoie
  16. Divã do Masini: Blogagem coletiva Mais Teatro, Brasil!
  17. Pugnus Comunicação: Manifesto Mais Teatro Brasil
  18. Nossa Noite: campanha pró-teatro
  19. Claudia Belhassof: o teatro é nosso
  20. Encontro de Twitteiros Culturais apoia a campanha
  21. Pensamenteando: você já foi ao teatro?
  22. DJ Ilan Kriger: Mais Teatro, Brasil! Espalhe essa ideia
  23. Ernesto Diniz: Mais Teatro Brasil

Deixai que venham a mim as criancinhas…

Agora não falta mais nada. Até Joseph Ratzinger — o infalível Papa Bento XVI — ajudou a acobertar casos de pedofilia.

Padre sinistro

Vai lá... coloca seu filho no catecismo...

Sobre o assunto, destaco dois trechos do artigo de Hélio Schwartsman para a coluna Pensata, da Folha de São Paulo, sobre os casos de pedofilia no Canadá, nos EUA, na Irlanda, na Polônia, na Argentina, na Nova Zelândia, na Alemanha, no Brasil, na Áustria, na Itália… enfim…

“…essa atitude [de acobertar os casos de pedofilia na Igreja Católica] é até mais grave que o próprio molestamento, pois a pessoa que abusa pode pelo menos descrever-se como vítima de uma doença psiquiátrica catalogada no CID. Já o acobertamento, este ainda não foi definido como patologia por nenhuma associação médica. Aqui, ao que parece, bispos eram mais leais à instituição da igreja do que a seus próprios fiéis. Talvez seja isso que a Santa Sé espera deles, mas não é certamente o que recomenda a virtude republicana”.

“…a Igreja Católica funciona como um ímã para pessoas com propensões pedofílicas, pois não apenas legitima e confere elevado status social à vida de solteiro como ainda oferece incontáveis oportunidades de interagir com jovens estando numa posição de poder”.

Leia o artigo completo.


RSS Dois Espressos   Twitter Dois Espressos   Vídeos Dois Espressos   Fotos Dois Espressos
Músicas Dois Espressos   Links Dois Espressos   Locais Dois Espressos   GReader Dois Espressos
Facebook Dois Espressos   Livros de Dois Espressos   Corridas de Dois Espressos

Última corrida

Corridas

Fotos recentes

Mais fotos

Últimos Tweets

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Última nota do Moleco

" (...) Quanto a mim, a base de minha vida vai ser uma fazenda em algum lugar onde vou produzir parte de minha própria comida, e, se necessário, toda ela. Um dia não vou fazer coisa alguma além de sentar embaixo de uma árvore para ver minha lavoura crescer (depois do trabalho devido, claro) -- e beber vinho caseiro, e escrever romances para edificar meu espírito, e brincar com meus filhos, e relaxar, e gozar a vida, e brincar, e assoar o nariz. (...) Vou viver a vida do meu jeito 'preguiçoso coisa ruim', é isso o que vou fazer."

Diário de Jack Kerouac, 23 de agosto de 1948.
Molecos Viajantes

Últimos links del.icio.us